sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Cagada farta

Revista Piauí - Para quem quer ir além

Revista Piauííííííííí.
Se quiser virar as páginas da sua ignorância e preguiça. Leia e se toque de que existe coisas que estão além. Veja, Isto É... se você conseguir perceber em que Época você está.

Conversas com Woody Allen

por João Gabriel Lima
Mergulho na Mente do Artista O livro ''Conversas com Woody Allen'' narra o percurso fascinante de um artista em busca de seu estilo - que tem no filme ''Vicky Cristina Barcelona'' um de seus grandes momentos.
— Vamos para Oviedo. Lá, comeremos pratos deliciosos, beberemos bons vinhos e faremos amor.— Quem vai fazer amor?— Se tudo der certo, nós três.
O diálogo acima acende o rastilho de Vicky Cristina Barcelona, a nova — e desconcertante — explosão do talento de Woody Allen. A cena, uma das primeiras do filme, é ambientada num restaurante em Barcelona. O pintor espanhol Juan Antonio se levanta de um jantar com amigos e caminha até a mesa das turistas americanas Vicky e Cristina. Diante delas, dispara sua proposta objetiva e acima de tudo surpreendente, por ser à primeira vista — Juan Antonio não as conhecia. Sua impulsividade se justifica. No filme, que estréia neste mês no Brasil, Cristina é Scarlett Johansson, diante de quem a junção das palavras "loira" e "fatal" nunca soa como mero clichê. Vicky é a atriz britânica Rebecca Hall, dona de uma sensualidade tão intensa quanto Scarlett, porém contida — e portanto perversa. É ela quem, nada simpática, pergunta, com ironia cortante: "Quem vai fazer amor?". Juan Antonio responde no tom misterioso e insinuante que caracteriza o premiado ator espanhol Javier Bardem. Neste momento sabe-se que algo vai acontecer entre o pintor e as duas turistas. Só não se sabe que vai ser tanta coisa, e com tanta intensidade, num jogo de reviravoltas tão intrincado que é impossível desviar o olho da tela.
Se fosse música clássica, Vicky Cristina Barcelona seria uma ópera de Mozart, com seus duetos, trios e quartetos que mais escondem do que revelam as verdadeiras intenções dos personagens. Se fosse rock, seria Rolling Stones: o refrão de Satisfaction — "Eu não consigo ter prazer, mas tento, tento e tento" — poderia ser o mote dos protagonistas do filme. Mas Vicky Cristina Barcelona não é ópera nem rock ­— é cinema, e desde já um dos grandes filmes do segundo auge de Woody Allen.
O diretor americano é um dos poucos a ter dois momentos de pico na carreira. O primeiro foi a virada dos anos 70 para os 80, quando criou, quase que em seqüência, seu tríptico de obras-primas: Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977), Manhattan (1978) e Hannah e Suas Irmãs (1986). O segundo ocorre a partir do maior sucesso de público e crítica da carreira do cineasta, Match Point (2005), o melhor filme de Woody na opinião dele próprio. O qual, de certa forma, marca o início de outro trio de grandes filmes, junto com o esplêndido e subestimado O Sonho de Cassandra (2007) e, agora, Vicky Cristina Barcelona.
Chega ao Brasil também neste mês um livro que merece ser lido logo antes ou logo depois de assistir a Vicky Cristina Barcelona: Conversas com Woody Allen, do jornalista americano Eric Lax. No gênero entrevistas com cineastas, o volume tem pelo menos dois antecessores de peso: o livro em que François Truffaut conversa com Alfred Hitch­cock, com o intuito de aprender os segredos daquele que escolheu para mestre; e a obra em que Peter Bogdanovich debate com Orson Welles. Truffaut/Hitchcock e Welles/Bogdanovich são diálogos de cineasta com cineas­ta, valem por isso, mas se ressentem de perguntas mais esclarecedoras. Conversas com Woody Allen, ao contrário, é calcado na habilidade de um entrevistador profissional, Lax, que é também biógrafo de Woody.
O livro é resutado do esforço jornalístico de uma vida inteira. Ele se compõe dos melhores momentos de dezenas de entrevistas que Lax fez com Woody ao longo de nada menos do que 36 anos — já que a primeira sessão data de 1971 e o livro foi lançado nos Estados Unidos no ano passado. Em tom de brincadeira, Lax costuma dizer que é a mais longa entrevista ainda em curso nos Estados Unidos. A edição é primorosa. Ela leva o leitor a acompanhar detalhamente a evolução do pensamento do cineasta. Conversas com Woody Allen possibilita, assim, a rara oportunidade de mergulhar na mente de um artista.É sabido que Woody Allen tem como maior ídolo o cineasta sueco Ingmar Bergman, que gostava de dizer que seus filmes eram fruto de motivações inconscientes, e o resultado final era, em certa medida, obra do acaso.
A julgar por Conversas com Woody Allen, o diretor americano é o oposto de seu ídolo. As entrevistas mostram como seu processo criativo é uma construção consciente, baseada na identificação e resolução de problemas concretos. Vicky Cristina Barcelona é uma espécie de súmula do estilo de Woody, no sentido em que apresenta, magistralmente resolvidos, todos os problemas que o cineasta colocou a si próprio ao longo da carreira. Por isso, ler o livro e assistir ao filme em seguida — ou vice-versa — é uma experiência tão instigante.
Vicky Cristina Barcelona tem personagens movidos primordialmente por angústias interiores. São artistas e intelectuais que, embora inteligentes e sofisticados, têm dificuldades de lidar com as próprias emoções. Suas trajetórias são amarradas num enredo de matriz literária — no caso, os universos de Jane Austen e Henry James. Angústias interiores, personagens sofisticados, inspiração na literatura — Conversas com Woody Allen mostra como­ o ­cineasta fez desse tripé a base de seu estilo.
A matéria completa você vai encontrar no site da revista Bravo ou no endereço: http://bravonline.abril.uol.com.br/conteudo/cinema/cinemamateria_398064.shtml
fonte: revista Bravo

Mercado Municipal de Aracaju - Sergipe

A beleza do Mercado Municipal de Aracaju Thales Ferraz.

Eu na TV

Summertime

video

Janis Joplin dispensa apresentações. E essa canção merece apenas ser sentida com a força da interpretação de Janis.

Joy Division

video

Joy Division foi mais uma banda inglesa que se destacou por dois motivos. O excelente som que fazia e pela pessoa enigmática e confusa e transtornada e talentosa que foi Yan Curtis, vocalista e meio que um ser oriundo de outro planeta. Yan era overdose pura no palco. Na vida pessoal era atormentado pela sua própria existência. Morreu aos 24 anos enforcando-se na cozinha de sua casa. Deixou seu legado musical e sua marca para os amantes da era Joy Division.

No mercado extistem dois filmes sobre a banda. Um se chama Joy Division que é um documentáro e o outro é um filme sobre a vida de yan que se chama, No Control. Assistam os dois e escutem o som.

Hot Chip

video

Uma banda ímpar. Hot Chip se destaca para mim pela forma íntima que seu som consegue me chamar a atenção. As batidas, a mistura de sons que se fundem e formam o que ouvimos. O Hot Chip só podia ser inglês, e com a influência do característico ruido londrino, onde dance-punk e eletropop se combinam e forma essa excelente banda. Escutem e saiam dançando.

Christina Aguilera - Hurt

video

Esse clip é uma verdadeira obra bem produzida e carregada de emoção. As imagens são lindas e a música é um lamento que vale a pena escutar. A letra é carregada de emoção e fala da saudade e do arrependimento. De coisas que deveriamos fazer e dizer e muitas vezes esquecemos e quando percebemos já é tarde demais. Mas a canção e o roteiro vale algumas lágrimas.

Emy - Valerie Live

video

Continuação do estúdio. Percebam a naturalidade dela cantando. Seus gestos e expressões. Ela canta como se estivesse se espregiçando. Um pássaro...

Amy

video

Emy em estúdio. Uma gravação super informal. Nessas imagens percebemos o quanto ela é uma artista pronta que apesar de todos os desgastes a sua voz é impecável. E o talento indiscutível.